O irmão do filho prodigo

Posted by Luiz Carlos Dalbem on 10:29

Lucas 15: 25ª32


O texto tem por título: A Parábola do Filho Pródigo, quando na verdade seu objetivo  era uma crítica bem formulada contra o pensamento farisaico que desprezava Jesus, porque ele conversava e comia com os publicanos, a "gentalha" da sua época. 

"E o seu filho mais velho estava no campo; e quando veio, e chegou perto de casa, ouviu a música e as danças. E, chamando um dos servos, perguntou-lhe que era aquilo. E ele lhe disse: Veio teu irmão; e teu pai matou o bezerro cevado, porque o recebeu são e salvo. Mas ele se indignou, e não queria entrar.

E saindo o pai, instava com ele. Mas, respondendo ele, disse ao pai: Eis que te sirvo há tantos anos, sem nunca transgredir o teu mandamento, e nunca me deste um cabrito para alegrar-me com os meus amigos; vindo, porém, este teu filho, que desperdiçou os teus bens com as meretrizes, mataste-lhe o bezerro cevado.

E o Pai lhe disse: Filho, tu sempre estás comigo, e todas as minhas coisas são tuas; mas era justo alegrarmo-nos e folgarmos, porque este teu irmão estava morto, e reviveu; e tinha-se perdido, e achou-se." (Lucas 15: 25-32).

O texto da Parábola começa com a atitude do filho cobrando sua parte na herança

Antes da morte do pai, para torrá-la em bebedices com os falsos amigos e meretrizes. Este filho se arrepende e,  depois  volta, e é recebido com alegria pelo pai, que para expressar seu contentamento mandou chamar todos da casa e deu uma grande festa,  se fosse no dia de hoje, um "churrasco" com música e dança. Um filho, requerer parte da herança naquela época era coisa absurda, e nenhum pai que estivesse vivo, aceitava esta atitude considerada arbitraria, hoje precisa ser assim..

O filho mais velho, naquela ocasião, era o contraste em pessoa.

Quando soube do regresso do irmão e da festa preparada pelo pai se emburrou,  ao ponto de  recusar-se a entrar para abraçar o irmão e já não o considerava mais da família. Passou por certo, a tratá-lo como um  desviado, contudo ele apenas passou um tempo fora do propósito do pai, mas retornou. O  sonho do pai era vê-lo casado e tendo muitos filhos.  A palavra DESVIADO é pesada e amaldiçoadora. Não existem desviados, mas  muitos que estão fora do propósito de Deus, que é a Salvação de todos os Homens.

Era um falso apologeta dos bons costumes.

Cobrou coerência do pai:  um tratamento duro e exemplar para aquele irmão devasso e dissipador dos bens da família desejava que fosse excluído dos direitos de filho.

Foi usando desta analogia que Jesus criticou o comportamento dos fariseus,  autoridades religiosas do seu tempo, que  passavam muito tempo na Casa de Deus, mas que, não o tinham dentro de seus corações, eram apenas religiosos. Deus não  precisa de religiosos, mas de verdadeiros filhos comprometidos com o reino, sendo servos submissos a sua vontade.

Eram frios, vazios, que não conheciam a verdadeira face de Deus. Uma face de misericórdia, de perdão, que oferecia uma nova oportunidade aos pecadores. O amor como forma de produzir gratidão e garantir o perdão.

O filho mais velho reclamou que em toda sua vida nunca tinha recebido uma festa, nem celebrado com os amigos um churrasco de cordeiro:
Tinha riqueza mas vivia como mendigo e depressivo, não tomava posse daquilo que era seu, este é o estado de muitos que estão dentro da Igreja e que não crescem espiritualmente e não são prósperos.

Não recebeu, porque tinha uma imagem muito diferente da pessoa de seu pai.
Achava que o pai era austero e mesquinho. Um pai que devia castigar o erro das pessoas o compráramos com o servo que tinha recebido um talento e não granjeou frutos, pois com medo de seu Senhor o enterrou. Deus quer usar nestes dias os portadores de um talento, fazendo-os descobrir o seu lugar no  corpo de Cristo. Nunca podemos dizer que, na Igreja não servimos para nada, temos o nosso lugar para exercermos a função de Servos. Quem esta na igreja e não é servo, não serve para o serviço de Deus. O filho sabe dos desejos dos pais, mas os empregados só fazem quando são ordenados, e ainda resmungando.

Ele estava muito enganado.

Preocupado com o trabalho, não tinha mesmo tempo de conversar com seu Pai. Por isso não via que seu "velho" todo dia,  que caminhava até os limites de suas terras para ver se o filho caçula estava voltando.A intimidade com Deus é para os que se aproximam dele através da oração, leitura bíblica, jejum e obediência.
O filho mais velho nunca percebeu isso porque não tinha saudades do irmão

Não era generoso nem sabia que tinha um pai generoso, disposto a perdoar, esperançoso da volta do filho. Estava ali como um cego amargurado pela sua deficiência e não enxergava a mesa que o pai colocava constantemente, para que todos desfrutassem.

E no dia que o pródigo voltou, o primogênito  também voltava à tarde do trabalho. Ouviu um barulho de música e o cheiro de boi na brasa. Ao saber do que se tratava, fechou o coração e não quis entrar e festejar. Muitos estão na Igreja ( o povo), mas não participam e não recebem as bênçãos que são prometidas aos verdadeiros filhos e tem medo de que os novos convertidos venham para tomar o seu lugar.

O filho mais velho é o tipo de crente que trabalha dedicadamente nas Igrejas hoje.

Presta um serviço de excelência há muitos anos, mas  por costume e status. Pura formalidade. Em seu coração é um crítico ácido. É perfeito em serviço, mas mesquinho de coração. Quando volta para casa, costuma destilar um rol de críticas sob o que aconteceu no culto. Nas igrejas onde o sistema de governo é A OLIGARQUIA, a igreja elege os presbíteros, que  deveriam pastorear  o povo ao lado do pastor, mas se tonam uma pedra  de tropeço na obra de Deus e perseguem os pastores, achando que foram escolhido,  não como servos, mas como gerentes ou proprietários da Igreja.  

Está todos os dias dentro da casa do Pai, mas o Espírito Santo não está mais dentro de seu coração.

Porque  a boca fala do que há em abundância  no coração. Um coração predominantemente crítico é espelho da ausência do Espírito. E sem o Espírito não há misericórdia, nem perdão nem celebração. E perante os olhos do Senhor a misericórdia prevalece sobre o formalismo farisaico.

O filho primogênito queria ver seu irmão pelas costas. Aliás, se fosse por ele, o irmão somente botaria os pés dentro de casa na condição de jornaleiro.
Existem na igreja os perseguidores de Pastor, tive a infelicidade de conhecer muitos que massacram os ungidos de Deus, achando que foram chamados para serem juízes no rebanho de Deus. O fim de alguns que conheci foi de muita dor física e alguns deixaram a família toda esfaceladas pela truculência com que aplicavam a chamada DOUTRINA DE HOMENS, conhecida também com doutrina farisaica.

E com esta crítica sutil na forma de uma parábola, Jesus Cristo mostrou aos fariseus, e mais tarde aos judeus, que o amor de Deus transcende à justiça dos homens. Que para Deus o arrependimento de um pecador é motivo de festa entre os anjos do céu, porque Deus não enviou seu Filho ao mundo para chamar os justos ao arrependimento, mas para anunciar aos pecadores uma nova oportunidade de perdão  e o Ano aceitável do Senhor.
 O desejo dos fariseus destes dias é a EXCLUSÃO das pessoas do corpo de Cristo, uma pessoa fora do propósito de Deus (que e  a salvação de todos)precisa receber os mesmos cuidados da Igreja, para não morrerem sem Cristo. Salvação, arrebatamento, bodas do cordeiro, não tem nada haver com vida de pecado. A salvação é gratuita, mas precisa ser desenvolvida e,somente os que permanecerem fieis e que a herdarão a vida eterna com Cristo.  



Reações:
Categories: